Sobre o projeto

De acordo com o Eurostat, 30% do emprego na União Europeia está concentrado em microempresas – empresas com menos de 10 trabalhadores – um número que em países como a Suécia ou Espanha representam, respetivamente,...

Parteneri

O projeto é implementado pelos seguintes parceiros: INDEPCIE SCA APSU – ASSOCIACAO PORTUGUESA DE STARTUPS STOWARZYSZENIE ARID I AND F EDUCATION AND DEVELOPMENT LIMITED ASOCIACION PARA EL DESARROLLO RURAL DEL LITORAL DE LA JANDA CENTRUL...

Recursos

Nesta secção irá encontrar recursos desenvolvidos ao longo da realização do projeto.

Sobre o projeto

De acordo com o Eurostat, 30% do emprego na União Europeia está concentrado em microempresas – empresas com menos de 10 trabalhadores – um número que em países como a Suécia ou Espanha representam, respetivamente, 22,4% e 41% do número total de empresas presentes. O problema deste tipo de empresas (PME) e/ou pequenos empresários é a sua sustentabilidade e, para além disso, a empregabilidade. De acordo com as mesmas estatísticas, a taxa de sobrevivência destas pequenas e médias empresas após os primeiros cinco anos não excede uma média de 50%, com taxas de sobrevivência que vão dos 48% em França a 54% em Itália, dos 58% no Reino Unido a 61% em Espanha. (Na Suécia, 76% das pequenas e médias empresas sobrevivem apenas aos primeiros 3 anos).

Estes dados são reforçados internacionalmente, graças a estudos recentes da Bloomberg, que estabelecem que 80% dos empresários que iniciam negócios fracassam nos primeiros 18 meses. Por outro lado, a sobrevivência das empresas com pelo menos 10 trabalhadores é consideravelmente mais alta, com mais de 20 pontos positivos em Espanha, 19 na Alemanha, 6 em França, 3 no Reino Unido e 1,2 em Itália. Além disso, ao longo dos anos, a percentagem de empregos destruídos tem aumentado nas PME, diminuindo o seu crescimento e também a sua contribuição para a sustentabilidade e a empregabilidade.

Isto tem um grande impacto sobre a economia local e nacional. Tendo em conta as últimas estatísticas do (Fundo Monetário Internacional, 2017), em países como a Espanha, 99% das empresas têm menos de 50 trabalhadores, e 20 delas fecham todos os dias (8% mais em relação aos dados de 2016), porquê? Esta é a questão chave. A um nível superficial, a principal razão pela qual as empresas falham é porque simplesmente ficam sem dinheiro. Obviamente, há uma razão particular para cada fracasso empresarial, muitas das quais são o facto de os empresários ficarem sem dinheiro, as mudanças no mercado de trabalho, as cadeias de abastecimento ou o sistema regulatório tornar demasiado difícil gerir um negócio rentável.

Todas estas razões devem determinar se a atividade empresarial num determinado local é alta, média ou baixa. Estas razões são válidas, mas há uma razão para o fracasso que raramente ouvimos: o empresário simplesmente não tem talento para o trabalho, e isso não significa que ele não tenha a inteligência ou conhecimento do seu sector, mas pode faltar-lhe outros atributos que se encontram a nível cognitivo. Portanto, uma coisa que falta nesta discussão são os atributos do próprio indivíduo, a pessoa que está no centro de uma empresa, aquela que toma decisões diárias para gerir o negócio em circunstâncias muito incertas, sem informação completa.

Este é o conceito de empreendedor não qualificado, tanto em competências mais técnicas e difíceis como, por outro lado, em competências mais “humanas” e manejáveis, indispensáveis para explicar o sucesso ou o fracasso de qualquer negócio. É aqui que a psicologia do empresário se torna criticamente importante. A nossa pesquisa mostra que o talento, uma combinação de traços de personalidade e capacidade intelectual, pode explicar a variação no desempenho dos negócios além de outros tipos de fatores. É aqui, dentro do empresário, que o “Coaching” e o EQ podem funcionar. Não tem nada a ver com informação financeira, conhecimentos empresariais, consultoria fiscal, etc., mas com a gestão dessas outras competências, tais como burnout, falta de motivação, falta de objetivos ou incentivos, problemas com a tomada de decisões, problemas de autoestima…

Para isso, o Projeto Entrepreneurship for Everyone (EFE) tem como objetivo os seguintes objetivos com “coachers”, empresários, líderes e gestores como utilizadores finais:

  • Criar uma forte rede de parcerias com 7 organizações participantes em 6 países europeus e com alcance a todos os países europeus para fomentar o conhecimento e o desenvolvimento de estratégias.
  • Desenvolver a capacidade empreendedora dos cidadãos e organizações europeias como um dos principais objetivos políticos para a União Europeia.
  • Estabelecer um programa de formação para acompanhar os utilizadores finais na implementação de competências e planos de formação.
  • Definir a importância do empreendedorismo e dos talentos necessários para o sucesso empresarial.

Recursos

Nesta secção irá encontrar recursos desenvolvidos ao longo da realização do projeto.

Contato

Se quiser entrar em contato com o consórcio, escreva-nos: